As soon as we stumbled upon Kimbra Audrey’s Instagram, we instantly fell in love with her work, and we knew that we had to get in touch with her and share her stunning self-portraits, so here it is.

“The Devil Made Me Do It” is one of Kimbra’s latest sessions and we have the honor of presenting this exclusive to you, as well as a short interview that you can read below so that you can get to know a bit more about the artist in front of and behind the photos.

 

Introduce yourself

Kimbra Audrey, 24, born in Seattle, living in Brooklyn, but currently traveling abroad, photographer.

How old were you when you first got in touch with photography, and when did you realize that it was something that you’d want to explore more and dedicate to?

I have always been fascinated by photography. When I was in High School in Seattle I studied photography, and began shooting on film. We had to shoot, develop and print our film in the dark room ourselves, and I instantly fell in love with the entire process. Being in the dark room and being able to manipulate my film and prints was extremely therapeutic.

Did you immediately start shooting with film? What made you fall in love with it?

I learned to shoot all on film and I still only shoot on film. I don’t really understand digital and love the aesthetic of film. I also enjoy the whole process, not being able to see the image immediately makes you much more conscious of each photo you’re taking. I try not to waste any images because I only have a set amount of shots and I like spending a lot of time on each image I create.

What was the first camera that you bought and which is your dream camera/lens?

The first camera I got was a Canon AE-1 which I still shoot on a lot and is one of my favorites. I’m not sure that I have a dream camera. I shoot on a lot of different formats of film, 35mm, 120mm, Super 8 and polaroids, so I like to have multiple cameras with me.

Favorite photographer and favorite photography book?

My favorite photographer changes depending on my mood, but I have always been drawn to Diane Arbus and she has had a big influence on my work. My favorite book at the moment is one I picked up in London called In/Sights, it’s a collection of female self portraits from the 70’s that I have found extremely inspiring.

Your work is obviously very intimate – what made you start shooting self-portraits and how do you decide where/when to shoot?

Before I was shooting self-portraits I would shoot nudes of my best friends as often as I could. I realized it wasn’t fair to make them come to my house every single day and I wanted to be able to shoot every day. I spoke with a friend who is also a photographer and she told me she started shooting self portraits when started photography because she couldn’t find any models and it lit a fire inside me. At first I started taking self portraits as sort of an experiment and it became so addictive that it is now almost all I shoot. I try to shoot as often as I can. I am inspired by locations, sometimes I have an idea of an image I want to create in my mind and other times I just go somewhere and let the place guide me.

Do you usually play any music during your sessions, and if so, what do you listen to?

I don’t usually play music when I shoot because I find it distracting and I use a self timer for nearly all my images and I need to be able to hear and feel the camera. I have a very small window to make an image, ten seconds, so I have to be very focused.

What is you dream destination for photography or inspiration?

Honestly, I have shot in most of my dream locations. I love the beach, I have shot there more than anywhere else, I love sand dunes, I love the desert, I love the woods. More than anything I need isolated and secluded places for what I shoot. I have a list of other places I would like to shoot. One place I want to shoot before I die is called The Door to Hell, its an active flaming crater in the Karakum Desert in Turkmenistan.

Other than photography, what do you usually spend your time doing?

When I’m not shooting, I like to spend time volunteering. I love animals and work for two different charities in New York. One is called Best Friends Animal Society – its the largest no-kill animal sanctuary in the world, and they have adoption events every month in New York – and the other is called Gallop NYC, which is an organization that teaches people with disabilities how to horseback ride.

Tell us a bit about this session – what setup did you use?

For this story I shot on Canon AE-1 and used red scale film. I usually shoot on expired film but have been low on supplies while traveling in europe and after a shoot in Paris my friend Joe Aguirre gave me a few rolls of red scale film because it can have a similar effect to expired film. I shot this story in a hotel room in London near King’s Cross. I specifically choose this place because it was a bit run down, I was instantly drawn to the peeling wallpaper. I only had my tripod, camera and film, and the day I was shooting in london the weather would change so rapidly, one minute it would be blindingly sunny the next pissing rain, so rather than fight it, I just let the weather influence the mood of my images.

What do you want to convey through your photos and what is your main goal to achieve through your art?

My photos are a small piece of me. A moment. A feeling that I have already experienced and I’m immortalizing in the image I’m creating. Whether it’s happiness, sadness, anger, I’m releasing something and putting in a photograph. I don’t create my images with any expectations of others. My images are selfish, I make them of myself for myself. If no one ever saw my photos I would still shoot just as much because I make them for me. It’s not just about the final image – the whole process of self portraits, setting up my camera, focusing, light metering, pressing the button, waiting for the timer, developing my film, it’s like a drug. It’s honestly just a bonus that other people also want to see my photographs and if I can make people feel something when they look at them, whether they like them or not, is inspiring.

 

We hope that you like the session as much as we do, and to see more of Kimbra’s work, make sure that you check out her Instagram and website.

Assim que nos cruzámos com o Instagram da Kimbra Audrey, apaixonámos-nos imediatamente pelo seu trabalho, e sabíamos que tínhamos que entrar em contacto com ela e partilhar os seus auto-retratos deslumbrantes, portanto aqui está.

“The Devil Made Me Do It” é uma das sessões mais recentes da Kimbra e temos a honra de vos apresentar este exclusivo, bem como uma entrevista curta que podem ler abaixo de modo a ficarem a conhecer um pouco melhor a artista à frente e por trás das fotos.

 

Apresenta-te

Kimbra Audrey, 24, nascida em Seattle, a viver em Brooklyn, mas a viajar pelo estrangeiro de momento, fotógrafa.

HQue idade tinhas quando tiveste o primeiro contacto com a fotografia, e quando te apercebeste que era algo a que te querias dedicar mais e explorar?

Sempre fui fascinada por fotografia. Quando estava no Secundário em Seattle estudei fotografia, e comecei a fotografar com película. Tínhamos que fotografar, revelar e imprimir a nossa película no quarto escuro nós mesmos, e apaixonei-me instantaneamente por todo o processo. Estar no quarto escuro e ser capaz de manipular a minha película e impressões era extremamente terapêutico.

Começaste a fotografar logo com película? O que te fez apaixonar por isso?

Aprendi tudo a fotografar com película e ainda fotografo exclusivamente com película. Não percebo bem o digital e adoro a estética do filme. Também aprecio todo o processo, não ser capaz de ver a imagem imediatamente torna-te tão mais consciente de cada foto que estás a tirar. Tento não desperdiçar nenhuma imagem porque só tenho um número fixo de disparos e gosto de dedicar bastante tempo a cada imagem que crio.

Qual foi a primeira máquina que compraste e qual é a tua máquina/lente de sonho?

A primeira máquina que comprei foi uma Canon AE-1 que ainda utilizo muito e é uma das minhas favoritas. Não sei se tenho uma máquina de sonho. Fotografo muito com formatos diferentes de película, 35mm, 120mm, Super 8 e Polaroids, portanto gosto de ter várias máquinas comigo.

Fotógrafo e livro de fotografia favoritos?

O meu fotógrafo favorito varia dependendo do meu humor, mas sempre me senti atraída pela Diane Arbus e ela teve uma grande influência no meu trabalho. O meu livro favorito de momento é um que comprei em Londres chamado In/Sights, é uma colecção de auto-retratos femininos dos anos 70 que acho extremamente inspiradores.

O teu trabalho é, obviamente, muito íntimo – o que te fez começar a fotografar auto-retratos e como decides quando/onde fotografar?

Antes de fotografar auto-retratos fotografava nus das minhas melhores amigas sempre que podia. Apercebi-me que não era justo fazê-las virem a minha casa todos os dias e queria conseguir fotografar todos os dias. Falei com uma amiga que também é fotógrafa e ela disse-me que tinha começado a tirar auto-retratos quando começou a fotografar porque não conseguia encontrar modelos e isso acendeu uma chama dentro de mim. Ao início comecei a tirar auto-retratos como uma espécie de experiência e ficou tão viciante que agora é praticamente tudo o que fotografo. Tento fotografar o máximo que consigo. Inspiro-me com as localizações, às vezes tenho uma ideia de uma imagem que quero criar na minha cabeça e outras vezes vou simplesmente a algum lado e deixo o local guiar-me.

Costumas ouvir música durante as tuas sessões, e se sim, o que ouves?

Não costumo ouvir música quando fotografo porque acho que me distrai e uso um temporizador para quase todas as minhas imagens e preciso de conseguir ouvir e sentir a máquina. Tenho uma pequena janela para fazer uma imagem, dez segundos, portanto tenho que estar muito concentrada.

Qual é o teu destino de sonho para fotografia ou inspiração?

Honestamente, já fotografei em quase todas as minhas localizações de sonho. Adoro a praia, já fotografei lá mais que em qualquer outro local, adoro as dunas, adoro o deserto, adoro a floresta. Acima de tudo, preciso de sítios isolados e afastados para o que fotografo. Tenho uma lista de outros sítios que gostaria de fotografar. Um local em que quero fotografar antes de morrer é chamado The Door to Hell, é uma cratera flamejante activa no Deserto de Karakum no Turquemenistão.

Para além da fotografia, o que é que costumas fazer mais?

Quando não estou a fotografar, gosto de passar o meu tempo a fazer voluntariado. Adoro animais e trabalho com duas caridades diferentes em Nova Iorque. Uma é a Best Friends Animal Society – o maior santuário de animais sem mortes no mundo, e têm eventos de adopção todos os meses em Nova Iorque – e a outra é a Gallop NYC, que é uma organização que ensina pessoas com deficiências a andar a cavalo.

Fala-nos um pouco acerca desta sessão – que setup usaste?

Para esta história fotografei com a Canon AE-1 e utilizei película red scale. Normalmente fotografo com película fora de prazo mas tenho estado com poucos rolos enquanto viajo pela Europa e depois de uma sessão em Paris o meu amigo Joe Aguirre deu-me alguns rolos de red scale porque pode ter um efeito semelhante ao da película fora de prazo. Fotografei esta história num quarto de hotel em Londres perto de King’s Cross. Escolhi especificamente este local porque estava um pouco desgastado, fui instantaneamente atraída pelo papel de parede a descolar. Tinha apenas o meu tripé, máquina e película, e no dia em que fotografei em Londres o tempo mudava tão rapidamente, num minuto estava um sol ofuscante e no outro chovia a potes, portanto em vez de lutar contra isso, deixei o tempo influenciar a disposição das minhas imagens.

O que queres transmitir através das tuas fotos e qual é o teu objectivo principal para atingires através da tua arte?

As minhas fotos são uma pequena parte de mim. Um momento. Um sentimento que já senti e que estou a imortalizar na imagem que estou a criar. Quer seja felicidade, tristeza, fúria, estou a soltar algo e a colocá-lo numa fotografia. Não crio as minhas imagens com alguma expectativa dos outros. As minhas imagens são egoístas, faço-as de mim para mim. Se ninguém visse as minhas fotos, continuaria a fotografar o mesmo porque o faço para mim. Não é apenas a imagem final – todo o processo de auto-retratos, montar a minha máquina, focar, medir a luz, carregar no botão, esperar pelo temporizador, revelar a película, é como uma droga. Honestamente o facto de outras pessoas quererem ver as minhas fotografias é apenas um bónus, e se posso fazer alguém sentir algo quando as vê, quer gostem delas ou não, é inspirador.

 

Esperamos que gostem tanto da sessão quanto nós, e para verem mais do trabalho da Kimbra, certifiquem-se de que passam pelo seu Instagram e site.