We are extremely proud to share our latest exclusive with you – an interview with London-based creative, India Rose.

If you like fashion/styling/urban culture and you don’t know who India is, then you definitely need to check her work out.

India started studying photography in college, but after two years realized that she was more interested in the fashion and styling side of it, which led her to starting her own blog.

The digital consultant/stylist/creative director now focuses more on Instagram to share her work, and we had the chance to ask her a few questions via iMessage, which will hopefully inspire you as much as they inspired us.

 

Let’s get to it! Ok so first we’ll ask you to introduce yourself in how many words you’d like

My name is India Rose, originally both my first names. I grew up in a small country town in the North of England, moved around a lot as I got older, and now I call London my home. I’m 24.

What is your favorite and least favorite thing about living in London?

My favourite is the people. The biggest misconception about this city is that it’s all tall buildings and congestion, but it’s not. It has a lot of neighbourhoods with an interesting mix of people from all over the world. There is a real sense of community, and there’s a lot of creativity coming out of London. The least is of course the weather, but you can’t have everything.

Completely agree! We read that you started by studying photography. What first attracted you to it and made you want to follow that path?

My step dad used to take my mum, sister and I on a yearly holiday to small part of Spain every year. They have a timeshare apartment there. I think that’s when he first bought a camera. Hold up, let me call him. My memory sucks. (Calls step dad) So yeah, one year we went to Spain for a month and he bought a Nikon SLR camera for it. He said I never put that shit down after that. I got it straight away. He’s still reading the manual…

Haha you’re a natural then! Do you usually carry a camera around, or resort more to the use of your iPhone?

I haven’t been behind the camera much for a good five years. I wish that wasn’t the case. I was trying something new and exploring other avenues, but I’ve seemed to go full circle. I now carry my Contax around with me semi-regularly, and I’m looking to experiment with other film cameras and videocameras. I hate bags though, so it’s taking me a while to get into the habit of carrying something around constantly.

We know what you mean, and Contax isn’t the worst one haha. Would you say that you prefer film over digital?

I know, mine’s tiny. But like I said my memory sucks I’d just end up leaving it somewhere if I didn’t have a bag with me. I prefer film and iPhone. Both for completely different reasons.

Would you care to elaborate on the reasons?

I studied photography at college, and always preferred shooting film. There’s just something so special about it – not quite knowing how it’s going to come out, the texture and tones. But after taking a break from photography and moving more into styling and fashion, I only used digital. The numerous images you have to take to get the ‘perfect’ image really takes away the natural beauty of it. That’s why I don’t like digital. iPhones are just really convenient. They can capture something so quickly, as phones are usually in our hands, and they have their own charm about them. I find framing an image is a lot easier on a phone, maybe because it’s what I use the most.

Do you think that your interest in photography influenced your personal style? Did you find your own style early on, or when did that start to happen? Oh and Steven Julien’s cover is amazing by the way, congrats!

Definitely. I never really connected to where I grew up, and I moved around quite a lot, so I was always inspired by the music I was listening to, magazines, or images I found. Jamel Shabazz introduced me to New York dressing in the ‘80s. I became so obsessed with b-boy culture as a teenager, constantly watching documentaries and collecting books about it.

Thank you. I really enjoyed shooting that. It’s actually in Southend – a place just east of London. It looks like it could be in LA or something, and has palm trees along the coast with the most beautiful sunsets.

That is a perfect segue into our next question. You obviously curate your image/style and your work very well, including the photographers you work with. Who are your biggest influences when it comes to photography (besides Jamel), and what is your criteria for choosing the perfect person to work with?

Juergen Teller, Tyrone Lebon, Janette Beckman, David Sims, Chi Modu, Ropert Mapplethorpe and most recently Harley Weir. It might be cliché to mention many of those names, but it’s true – sometimes the most cliché shit is the truest, most universally understood shit. There’s a reason for that. But I mean there are tons. I’m inspired on a daily by so many photographers, artists, whoever really.

As for choosing the right person to work with, that’s entirely down to the project I’m working on. Sometimes I need a photographer with a clean aesthetic, sometimes something a little more raw, sometimes with a very strong creative vision of their own, and sometimes more of a technical photographer that allows me to direct them. Whatever works.

I actually hate how overly curated I am. I’m trying to unlearn that.

You have all the right references, and we wouldn’t expect anything else. How do you plan to unlearn your curation? Think less about everything and do it more naturally?

Social media is poison, basically. It’s now considered normal to ‘curate’ your life online, and it’s created a certain aesthetic. It’s limiting, and it isn’t real. I’m nothing like my Instagram portrays me as. People know nothing about my interests, what I’m like as a person, and I’m sure it’s the same for a lot of people. I have no idea how to unlearn it. Care less, I guess?

I suppose I started my career online. I now want to take it away from that, so my work speaks for itself. There is then less pressure to post overly curated images online.

Organizing your schedule as a creative director, digital consultant, and stylist must be one hell of a task. Can you elaborate a bit on what each job requires of you? And which one do you enjoy doing the most?

I’m still figuring shit out, trying new things. I’m going through a transitional period right now. Almost like a case of elimination to eventually get to where I want to, where I feel like this is what I want to do for the rest of my life. I haven’t consulted in a while, although I’m still open to it if we’re on a level with each other. I style and direct most of the time. I’m also working with Apron on their visuals and merchandise, which I really love. Right now I’m enjoying being behind the camera more than ever, and I’m figuring out how to integrate all of my interests into my work.

Speaking of Apron, music is obviously very important to you and an essential part of who you are. What’s been on your playlist for the past few weeks/months, and who are some of your favorite artists? And how did you connect with Apron, why that specific label?

I listen to everything. My mind is completely open when it comes to music. The playlist (featured below) will give you an insight into what I’m listening to at the moment, minus all the club shit. I had to sign up to Spotify to make it and turns out a lot of the music I like isn’t on there. There’s no Prince, but you get the idea.

I’ve always loved Apron as a label, but I was also dating Stevie. It was only natural that we combined forces and worked together. We have something coming out soon.

Now back to fashion: You have an incredible amount of followers on Depop (which makes sense), and you’re constantly updating your store – do you get attached to any pieces of clothing/accessories/footwear?

Sometimes. If I love something I just never think about selling it, but I never grow too attached to my posessions. I have a motto when it comes to selling things, to remind myself they are just things: If it doesn’t make you feel good, get rid of it. If you’re bored of it, put it away. But if you aren’t sure, keep it. The regret is too real afterwards.

That’s a great motto! Imagine you had to get rid of everything in your closet and could only keep one outfit – what would it be?

I have this one vintage Ralph Lauren ski jacket from the 80s that I wear every day during winter though. It was a gift from a vintage store in Canada. I would be devastated if I had to let go of that. I can’t replace it. Other than that, I wear Vans pretty much every day, and I own a lot of jeans. I never sell my favourite jeans. Do you know how long it takes to finally find a pair that actually fits good? For my body type, very long! 😂

😂 We can imagine the struggle!

My tailor is my best friend. I have her on Whatsapp!

Hahaha now that’s good customer service!

She’s amazing. I will be so gutted when I have to move to another part of London.

Maybe she can recommend you a friend of her haha. Do you visit her often and get a lot of pieces tailored? Or mostly jeans?

I tailor a lot of things as I wear a lot of menswear and oversized pieces, particularly vintage. I know I’m not going to find that particular vintage item anywhere else so if it’s too big I’ll make it fit. I’m also quite uneven – I’m a lot smaller on top than I am on the bottom.

Ok so it’s understandable that she’s your best friend haha. Now let’s talk about footwear: you’ve said that Nike’s Cortez silhouette is your all time favorite. What attracts you to it and what are some of your other favorites?

It’s my favourite Nike by a mile. It’s from an era I obsess over a little, and I take a lot of inspiration from the way it was worn back in the ‘80s and ‘90s too. You can’t beat that Cholo drop! Vans Vault will always be my favourite though.

What do you look for when purchasing sneakers? Is it aesthetics, technology/function, or comfort?

Comfort, a flat sole (usually), and a good colourway.

You have to constantly be up-to-date with what’s coming out from brands and designers – what are some of your favorites right now that you’d love to work with and still haven’t?

Working on a video with Tyrone Lebon would be dope. I’d love to collaborate with Vans on a sneaker too. Dorateymur, Jacquemus, Mansur Gavriel, Wales Bonner, Marques Almeida, Cédric Charlier. Then of course there are brands like Céline, Gucci and Comme. Some brands I’ve actually worked with before, but I’d love to work with them as an artist rather than a promotional platform. It would be great to reconnect with some brands in that way too. I’d also love to start working with music artists more regularly, with their visuals and videos.

We’d love to see what you come up with, and we’re sure we’re not the only ones!  How does it usually work – do you reach out to the brands, or do they mostly reach out to you?

I only ever reach out to upcoming brands I discover online. Some really cool projects have come from that actually. Mostly they reach out to me though.

I think there’s a stigma with reaching out to brands yourself – I wish that wasn’t the case sometimes!

Why do you think that happens? Are people not confident enough or do you think brands make it seem impossible to happen?

I think it can hinder your reputation sometimes. Brands seem to think less of you for emailing them. It instantly puts them in control, so will probably pay you less and treat you differently. Not always – but it does happen.

That shouldn’t happen at all, all work should be valued. So, how is a regular day in your life like right now?

I know. I think that’s one of the main reasons I’ve distanced myself from the industry a little.

My days vary really. Usually I get up, turn on Charlie Bone’s NTS morning show, make a cup of tea and a smoothie, smoke a cigarette, and check my notifications. I then have a shower and start my day. I’m not particularly proud of my work setup… I don’t have a studio or a desk. I work from home (ie. my bed) a lot of the time, except when I’m on a shoot or have meetings. Then I either go to a gig or spend the evening smoking and working late or looking for shit. I spend a lot of my time on my laptop finding artists or watching interviews.

I have to be up at 4am for a shoot on Friday, so it’s not always so chilled in the morning. I am guilty of taking my meetings from lunchtime onwards though.

Working from bed is a rare privilege! Do you find yourself looking through YouTube videos and loosing track of time? If so, which ones are your favorites?

Ahhhh all the time. I get so deep into the web sometimes I just don’t know how the fuck I got there. I love GOLF Media, watch a lot of ‘70s jazz performances, and NOWNESS videos. But mainly I just search for music. I spend hours doing that. I don’t watch TV, apart from the odd series or film, so that’s what I spend most of my time doing. Just educating myself as much as possible, there’s a crazy amount of good shit out there.

I read a LOT of interviews with people as well. I think they are such a good insight into artist’s lives.

Resident Advisor do an amazing film series called Real Scenes, where they explore the musical, cultural and creative climate within electronic music’s cities. I love stuff like that too. Lots of Prince interviews. Lots of Madlib interviews. Fashion designers, too. Everything!

At the moment my history is trying to get the mini VHS tape from an old (broken) camcorder… I’m currently sitting on my bed with two AA batteries taped together with two wires taped to either side ready to jump start the door motor. I can’t get this thing open!

You also mentioned series and films, what are some of your favorites or latest you’ve watched?

I’ve just finished Stranger Things and now I’m watching The Night Of. Omar from The Wire sold it for me. I started to re-watch The Wire too, and Curb Your Enthusiasm to prepare myself for the new season!

So is it safe to assume that you’re a Netflix fan?

I am. I’ve just joined MUBI too.

You recently spent a few days in the beautiful South of Portugal – how was that experience?

You know, I haven’t had a relaxed holiday like that in years. I always go away to party or for work. It’s never relaxing and I always feel like a need a holiday to get over the ‘holiday’. This was purely to spend time with my friends by the sea. Limited wifi. It was very necessary.

You know the photo I posted of all of my friends on the beach? That shit looked orchestrated. It 100% wasn’t. I asked to take a photo of two of them and the rest just walked in, so I picked up my phone quickly and asked them to look at me. That shit was just natural. I was like damn I really do have great looking friends. THAT’S what an iPhone camera is good for! 😂

😂 Picture perfect friends! London must be a great city to live and work in, but if you could move to anywhere else in the world and keep doing what you’re doing, where would it be, and why?

I don’t think I could move anywhere else. I’d love to work from Tokyo or LA for a few months a year though.

What are some of your favorite Instagrams to follow right now? Both for news/fashion and for fun.

@blackjaguarwhitetiger is basically the only thing I look at when I’m hungover. I need to visit that place. @fuckjerry, @browncardigan @hoodclips etc. Then there’s usually one Vine celebrity or whatever – first it was Lil Terio, now it’s Teddy Ray. @idea.ltd, @c__l__o, @hiphopmuseum, @raven__smith, @hansulrichobrist, @novemberbooks and @juergentellerpage are all good for fashion and photography inspiration.

Oh and @wearedutchmann, @mercedesbenzclassic and @bmwclassic. Big car girl.

Aah there’s another thing we didn’t know! So you’re a fan of German whips! Do you have a dream car?

Ferrari 365 Daytona, Porsche 911 Targa, Mercedes Benz 450SL or BMW E30 M3. I don’t know shitloads about cars, I just know what I like when I see it!

That Merc has to be a droptop by the way. My god it’s so so sexy. Same for the Bimmer!

Great choices! We see that your good taste applies to everything. When did you first get into cars and how did that interest develop?

I vaguely remember my step dad taking me to car shows. Maybe that? Never actually thought about it. Just know that the low bass of a good engine does it for me haha.

Haha that’s amazing! Finally, anything you’d like to say to the people reading this?

Be yourself, and stop worrying about what everyone else thinks of you. They are all thinking about themselves anyway!

Perfect! Thank you so much for doing this India, truly appreciate it, can’t thank you enough!

É com imenso orgulho que partilhamos o nosso exclusivo mais recente convosco – uma entrevista com a India Rose, criativa baseada em Londres.

Se gostam de moda/styling/cultura urbana e não sabem quem a India é, então têm mesmo que ver o trabalho dela.

A India começou a estudar fotografia na universidade, mas depois de dois anos apercebeu-se que estava mais interessada na vertente da moda e styling, o que a levou a começar o seu próprio blog.

A consultora digital/stylist/directora criativa foca-se agora mais no Instagram para partilhar o seu trabalho, e tivemos a oportunidade de lhe colocar algumas questões por iMessage, que esperamos que vos inspirem tanto quanto nos inspiraram a nós.

 

Vamos a isto! Ok primeiro vamos-te pedir para te apresentares em tantas palavras quantas quiseres

Chamo-me India Rose, ambos os meus primeiros nomes de origem. Cresci numa pequena cidade de campo no Norte de Inglaterra, mudei-me muitas vezes à medida que fui ficando mais velha, e agora Londres é o meu lar. Tenho 24 anos.

Qual é a tua coisa favorita e menos favorita de viver em Londres?

A minha coisa favorita são as pessoas. A ideia mais errada sobre esta cidade é que é só edifícios altos e tráfego, mas não é. Tem imensos bairros com uma mistura interessante de pessoas de todo o mundo. Há um sentido verdadeiro de comunidade, e há imensa criatividade a sair de Londres. A coisa que gosto menos é obviamente o tempo, mas não se pode ter tudo.

Concordamos por completo! Lemos que começaste por estudar fotografia. O que atraiu primeiro para isso e o que te fez quereres seguir esse caminho?

O meu padrasto costumava levar a minha mãe, irmã e eu numas férias anuais a uma pequena cidade em Espanha todos os anos. Têm um apartamento em timeshare lá. Acho que foi a primeira vez que ele comprou uma máquina fotográfica. Esperem, deixem-me ligar-lhe. A minha memória não presta. (Liga ao padrasto) Ok sim, um ano fomos a Espanha durante um mês e ele comprou uma máquina Nikon SLR para a viagem. Ele diz que depois disso eu nunca mais pousei aquilo. Apanhei logo o jeito. Ele ainda está a ler o manual…

Haha tens um jeito natural portanto! Costumas andar com uma máquina atrás, ou recorres mais ao uso do iPhone?

Já não fotografo muito há uns bons cinco anos. Gostava que não fosse esse o caso. Estava a tentar algo novo e a explorar outras avenidas, mas parece que completei o ciclo. Agora ando levo a minha Contax comigo semi-regularmente, e estou a ver se experimento outras máquinas analógicas e de vídeo. Contudo odeio malas, portanto estou a demorar um bocado a habituar-me a andar com algo constantemente.

Sabemos o que queres dizer, e a Contax não é das pirores haha. Dirias que preferes analógico a digital?

Eu sei, a minha é pequena. Mas como disse, a minha memória não presta e acabaria por a deixar algures se não tivesse uma mala comigo. Prefiro analógico e iPhone. Ambos por razões completamente diferentes.

Gostarias de elaborar as razões?

Estudei fotografia na faculdade, e sempre preferi fotografar com película. É algo tão especial – não saberes bem como é que vai ficar, a textura e os tons. Mas depois de tirar um tempo da fotografia e a me focar mais no styling e moda, só usei digital. A inúmeras imagens que tens que tirar para conseguir a imagem “perfeita” tiram mesmo a beleza natural disso. É por isso que não gosto do digital. Os iPhones são só realmente convenientes. Podem captar algo tão rapidamente, como os telefones costumam estar nas nossas mãos, e têm o seu próprio charme. Acho que enquadrar uma imagem é muito mais fácil num telemóvel, talvez porque é o que uso mais.

Achas que o teu interesse por fotografia influenciou o teu estilo pessoal? Encontraste o teu próprio estilo cedo, ou quando começou a acontecer? Ah, e já agora, a capa do Steven Julien está fantástica, parabéns!

Sem dúvida. Nunca me liguei a onde cresci, e mudei-me bastante, portanto sempre me inspirei pela música que ouvia, revistas, ou imagens que encontrava. O Jamel Shabazz apresentou-e à maneira de vestir de Nova Iorque nos anos 80. Quando era adolescente fiquei tão obcecada com a cultura b-boy, a ver documentários constantemente e a coleccionar livros acerca disso.

Obrigado. Gostei mesmo de a fotografar. É em Southend – um local a Este de Londres. Parece que podia ser em LA ou assim, e tem palmeiras ao longo da costa com os pôres-do-sol mais lindos.

Esse é um seguimento perfeito para a nossa próxima questão. É óbvio que curas muito bem a tua imagem/estilo e o teu trabalho , incluindo os fotógrafos com quem trabalhas. Quem são as maiores influências para ti no que toca a fotografia (para além do Jamel), e qual é teu critério para escolher a pessoa perfeita com quem trabalhar?

Juergen Teller, Tyrone Lebon, Janette Beckman, David Sims, Chi Modu, Ropert Mapplethorpe e mais recentemente Harley Weir. Pode ser cliché mencionar muitos desses nomes, mas é verdade – às vezes as merdas mais cliché são as merdas mais reais e percebidas universalmente. Há uma razão para isso. Mas quer dizer, há imensos. Sou inspirada diariamente por tantos fotógrafos, artistas, qualquer pessoa mesmo.

No que toca a escolher a pessoa certa com quem trabalhar, tudo depende do projecto em que estou a trabalhar no momento. Às vezes preciso de um fotógrafo com uma estética clean, às vezes algo um pouco mais cru, às vezes com uma visão criativa própria muito forte, e outras vezes mais um fotógrafo técnico que me permita dirigi-lo. O que funcionar.

Por acaso odeio o quão demasiado curada sou. Estou a tentar desaprender isso.

Tens todas as referências certas, e não esperaríamos outra coisa. Como pretendes desaprender a tua curadoria? Pensar menos sobre tudo e fazê-lo mais naturalmente?

A media social é veneno, basicamente. Agora é considerado normal “curares” a tua vida online, e isso criou uma certa estética. É limitante, e não é real. Eu não sou nada como o meu Instagram me retrata. As pessoas não sabem nada sobre os meus interesses, como sou como pessoa, e de certeza que é assim para muitas pessoas. Não faço ideia de como o desaprender. Interessar-me menos, talvez?

Suponho que tenha começado a minha carreira online. Agora quero que se afaste disso, portanto o meu trabalho fala por si próprio. Assim há menos pressão para publicar imagens demasiado curadas online.

Organizar o teu horário como directora criativa, consultora digital, e stylist deve ser uma tarefa árdua. Podes elaborar um pouco o que cada trabalho requer de ti? E qual gostas mais de fazer?

Ainda estou a perceber as coisas, a tentar coisas novas. Estou a passar um período transitório neste momento. Quase como um caso de eliminação para eventualmente chegar onde quero, onde sinto que é isto que quero fazer durante o resto da minha vida. Não faço consultoria há algum tempo, apesar de ainda estar aberta a isso se tivermos num certo nível um com o outro. Faço styling e dirijo a maior parte do tempo. Também estou a trabalhar com a Apron nos seus visuais e merchandise, coisa que realmente adoro. Neste momento estou a gostar de estar atrás da câmara mais que nunca, e estou a tentar perceber como integrar todos os meus interesses no meu trabalho.

Falando da Apron, a música é obviamente muito importante para ti e uma parte essencial de quem és. O que tem estado na tua playlist durante as últimas semanas/mesess, e quem são alguns dos teus artistas favoritos? E como te juntaste à Apron, porquê essa editora especificamente?

Eu ouço de tudo. A minha mente é completamente aberta no que toca a música. A playlist (destacada em cima) dará uma melhor ideia do que estou a ouvir de momento, excepto as cenas de club. Tive que me registar no Spotify para a fazer e parece que muita da música de que gosto não está lá. Não há Prince, mas ficam com uma ideia.

Sempre gostei da Apron como editora, mas também estava a andar com o Stevie. Era natural que juntássemos forças e trabalhássemos juntos. Temos algo para sair em breve.

Agora de volta à moda: tens um número incrível de seguidores na Depop (o que faz sentido), e estás constantemente a actualizar a tua loja – ficas agarrada a algumas peças de roupa/acessórios/calçado?

Algumas vezes. Se adoro uma coisa, nunca penso em vendê-la, mas nunca fico demasiado afeiçoada às minhas posses. Tenho um lema para o que toca a vender coisas, para me lembrar que são apenas coisas: se não te faz sentir bem, livra-te disso. Se estás farto, arruma. Mas se não tens a certeza, guarda. O arrependimento é demasiado real depois disso.

Esse é um grande lema! Imagina que tinhas de te livrar de tudo o que tens no teu roupeiro e só podias guardar um conjunto – qual seria?

Tenho um casaco de ski vintage da Ralph Lauren dos anos 80 que uso todos os dias durante o inverno. Foi um presente de uma loja vintage do Canadá. Ficaria devastada se tivesse que me desfazer dele. Não consigo substituí-lo. Tirando isso, calço Vans basicamente todos os dias, e tenho imensas calças de ganga. Nunca vendo as minhas calças de ganga favoritas. Fazem ideia de quanto tempo demora a encontrar finalmente um par que fique realmente bem? Para o meu tipo de corpo, muito tempo! 😂

😂 Podemos imaginar a tua luta!

A minha alfaiate é a minha melhor amiga. Tenho-a no Whatsapp!

Hahaha isso é que é bom serviço ao cliente!

Ela é incrível. Vou-me sentir tão vazia quando tiver que me mudar para outra parte de Londres.

Talvez ela te possa recomendar uma amiga dela haha. Visita-la com frequência e modificas muitas peças? Or maioritariamente calças de ganga?

Modifico muitas coisas porque uso muitas roupas de homem e peças oversized, particularmente vintage. Sei que não vou encontrar aquele item vintage em mais nenhum lado portanto se estiver muito grande faço com que sirva. Também sou um pouco assimétrica – sou muito mais pequena em cima do que sou em baixo.

Ok portanto percebe-se que seja a tua melhor amiga haha. Agora vamos falar acerca de calçado: já disseste que a silhueta Cortez da Nike é a tua favorita de sempre. O que te atrai na mesma e quais são algumas das tuas outras favoritas?

São os meus Nike favoritos, de longe. São de uma era com a qual sou um pouco obcecada, e também vou buscar muita inspiração à maneira como eram usados antigamente nos anos 80 e 90. É impossível bater aquele drop Cholo! Mas os Vans Vault vão ser sempre os meus favoritos.

O que procuras quando compras ténis? É a estética, tecnologia/função, ou conforto?

Conforto, uma sola rasa (normalmente), e uma boa combinação de cores.

Tens que estar constantemente actualizada com o que está a sair das marcas e designers – quais são algumas das tuas favoritas de momento com quem gostavas de trabalhar e ainda não o fizeste?

Trabalhar num vídeo com o Tyrone Lebon seria fixe. Também adorava colaborar com a Vans nuns ténis. Dorateymur, Jacquemus, Mansur Gavriel, Wales Bonner, Marques Almeida, Cédric Charlier. Depois claro que há marcas como a Céline, Gucci e Comme. Já trabalhei com algumas das marcas antes, mas adorava trabalhar com eles enquanto artista em vez de como plataforma promocional. Seria fantástico re-conectar com algumas marcas desse modo. Também adorava começar a trabalhar com artistas musicais mais regularmente, com os seus visuais e vídeos.

Adorávamos ver o que criarias, e de certeza que não somos os únicos! Como costuma funcionar – és tu que contactas as marcas, ou são maioritariamente eles que entram em contacto contigo?

Eu só entro em contacto com marcas que estão a começar que descubro online. Nasceram daí alguns projectos muito fixes por acaso. Mas são maioritariamente as marcas entrar em contacto comigo.

Acho que há um estigma no que toca a sermos nós a contactar as marcas – às vezes gostava que não fosse esse o caso!

Porque é que achas que isso acontece? As pessoas não são confiantes o suficiente ou achas que as marcas fazem com que pareça impossível acontecer isso?

Acho que pode criar obstáculos para a tua reputação às vezes. As marcas parecem pensar menos de ti por lhes enviares um email. Põe-nos instantaneamente em controlo, portanto provavelmente vão-te pagar menos e tratar-te de maneira diferente. Nem sempre – mas acontece.

Isso não devia acontecer de todo, todo  o trabalho deveria ser valorizado. Como é um dia normal na tua vida neste momento?

Eu sei. Acho que é uma das razões principais pelas quais me distanciei um pouco da indústria.

Os meus dias variam, na verdade. Normalmente acordo, ligo o programa da manhã do Charlie Bone na NTS, faço uma chávena de chá e um smoothie, fumo um cigarro, e vejo as minhas notificações. Depois tomo um duche e começo o meu dia. Não me orgulho particularmente do meu esquema de trabalho… Não tenho um estúdio ou uma secretária. Trabalho a partir de casa (isto é, da minha cama) grande parte do tempo, excepto quando estou numa sessão ou tenho reuniões. Depois ou vou a um concerto ou passo a noite a fumar e a trabalhar até tarde ou a procurar merdas. Passo grande parte do meu tempo no meu portátil a encontrar artistas ou a ver entrevistas.

Tenho que estar acordada às 4 da manhã para uma sessão na Sexta-feira, portanto não é sempre tão relaxado de manhã. No entanto sou culpada de marcar as minhas reuniões da hora do almoço para a frente.

Trabalhar da cama é um privilégio raro! Às vezes dás por ti a ver vídeos no YouTube e a perder noção do tempo? Se sim, quais são os teus favoritos?

Ahhhh sempre. Às vezes fico tão submergida na web que não faço ideia de como fui ali parar. Adoro a GOLF Media, vejo muitos concertos de Jazz dos anos 70, e vídeos do NOWNESS. Mas procuro principalmente música. Passo horas a fazê-lo. Não vejo televisão, tirando algumas séries ou filmes, portanto é isso que faço a maior parte do tempo. Simplesmente a educar-me o máximo possível, há uma quantidade louca de merdas boas por aí fora.

Também leio MUITAS entrevistas com pessoas. Acho que são uma maneira tão boa de perceber as vidas dos artistas.

O Resident Advisor faz uma série em vídeo incrível chamada Real Scenes, onde exploram o clima musical, cultural e criativo dentro de cidades de música electrónica. Também adoro coisas assim. Imensas entrevistas com o Prince. Imensas entrevistas com o Madlib. Designers de moda também. Tudo!

De momento a minha história é tentar tirar a mini cassete VHS de uma máquina de vídeo antiga (partida)… Estou sentada na minha cama com duas pilhas AA coladas com dois fios colados a cada lado pronta para dar um choque ao motor da porta. Não consigo abrir esta coisa!

Também falaste em séries e filmes, quais são alguns dos teus favoritos ou que viste mais recentemente?

Acabei de ver a Stranger Things e agora estou a ver a The Night Of. O Omar da The Wire vendeu-a para mim. Também comecei a rever a The Wire, e a Curb Your Enthusiasm para me preparar para a temporada nova!

Portanto é seguro assumir que és fã do Netflix?

Sou. Também acabei de me juntar ao MUBI.

Recentemente passaste alguns dias no belíssimo Sul de Portugal – como foi a experiência?

Sabem, não tinha umas férias relaxadas há anos. Vou sempre para festas ou para trabalho. Nunca é relaxante e sinto sempre que preciso de umas férias para recuperar das “férias”. Estas foram puramente para passar férias com os meus amigos junto ao mar. Wifi limitado. Era muito necessário.

Sabem aquela foto que publiquei de todos os meus amigos na praia? Aquilo parecia orquestrado. 100% não foi. Pedi para tirar uma foto a dois deles e o resto meteu-se no meio, portanto peguei rapidamente no meu telefone e pedi-lhes para olharem para mim. Aquilo foi simplesmente natural. Eu fiquei tipo fogo tenho mesmo amigos bem parecidos. É PARA ISSO que serve a câmara de um iPhone! 😂

😂 Amigos que ficam perfeitos nas fotos! Londres deve ser uma grande cidade para viver e trabalhar, mas se te pudesses mudar para qualquer outro lado no mundo e continuar a fazer o que fazes, qual seria, e porquê?

Acho que não me conseguia mudar para outro sítio. Mas adorava trabalhar a partir de Tóquio ou LA durante alguns meses do ano.

Quais são alguns dos teus Instagrams favoritos para seguir neste momento? Tanto para notícias/moda como para diversão.

@blackjaguarwhitetiger é basicamente o único que vejo quando estou de ressaca. Tenho que visitar aquele sítio. @fuckjerry, @browncardigan @hoodclips etc. Depois normalmente há uma celebridade do Vine ou assim – primeiro era o Lil Terio, agora é o Teddy Ray. O @idea.ltd, @c__l__o, @hiphopmuseum, @raven__smith, @hansulrichobrist, @novemberbooks e @juergentellerpage são todos bons para inspiração de moda e fotografia.

Ah e o @wearedutchmann, @mercedesbenzclassic e @bmwclassic. Sou uma rapariga que adora carros.

Aah aí está outra coisa que não sabíamos! Portanto és fã de carros Alemães! Tens um carro de sonho?

Ferrari 365 Daytona, Porsche 911 Targa, Mercedes Benz 450SL ou BMW E30 M3. Não sei muito sobre carros, só sei o que gosto quando o vejo!

O Mercedes tinha que ser descapotável. Meu deus é tão sexy. O mesmo para o BM!

Boas escolhas! Já percebemos que o teu bom gosto se aplica a tudo. Quando começaste a interessar-te por carros e como é que esse interesse se desenvolveu?

Lembro-me vagamente de o meu padrasto me levar a exposições de carros. Talvez isso? Nunca pensei realmente nisso. Saibam apenas que o grave baixo de um bom motor me satisfaz haha.

Haha isso é fantástico! Finalmente, há algo que queiras dizer a quem estiver a ler isto?

Sejam vocês mesmos, e parem de se preocupar com o que toda a gente pensa de vocês. Estão todos a pensar neles mesmos de qualquer maneira!

Perfeito! Muito obrigado por teres feito isto India, apreciamos verdadeiramente, não podemos agradecer o suficiente!